O drama do lixo: brasileiro já produz 383 quilos por ano

Caminhos do lixo

Na primeira reportagem da série especial “Os Caminhos do Lixo”, vamos mostrar o volume absurdo de lixo gerado no mundo, no Brasil e dentro das nossas casas. Quanto mais rico é um país ou um cidadão, mais lixo eles geram

 Lixo doméstico

 

Há 50 anos, os bebês utilizavam fraldas de pano que não eram jogadas fora. Também comiam alimentos preparados em casa e bebiam leite mantido em garrafas reutilizáveis. Hoje, os bebês usam fraldas descartáveis, consomem alimentos de recipientes que são jogados fora e bebem leite envazado em embalagens cartonadas, que popularmente chamamos de “longa vida” ou “tetrapak”. Ao final de uma semana de vida, o lixo produzido pela atual forma de criá-los já equivale, em volume, a quatro vezes o seu tamanho. Será que isso pode ser sustentável?

Com essa reportagem, o Observatório Lei.A dá início à série especial “Os Caminhos do Lixo”. Aqui mostraremos como nós brasileiros e os habitantes de outros países geram um volume gigantesco de lixo diariamente.

Você sabe quantas toneladas de resíduos gerará ao longo da vida?

Ou quão rápido nossa capacidade de descartar coisas está aumentando?

 

A história do lixo

A história do lixo

 

O lixo no mundo: país rico é país com mais lixo

A população mundial produz cerca de 1,4 bilhão de toneladas de lixo por ano.

Considerando que a densidade aparente do lixo solto é de 250 kg a 300 kg por metro cúbico, isso equivale a mais de 80 Barragens de Fundão, rompida em 2015, em Mariana/MG.

A história do lixo também nos traz uma revelação sobre a desigualdade no mundo. Quão mais rico é um país, mais lixo ele gera. Por exemplo, um norte-americano gera quatro vezes mais lixo do que um boliviano.

Lixo no mundo

 

Quando analisamos a renda das pessoas, outro dado surge. Quanto maior for a renda, mais lixo será gerado. Uma pessoa de alto poder aquisitivo gera 2,1 kg/dia. Enquanto outra, com baixa renda, produz apenas 0,6 kg/dia.

Pessoas de baixa renda têm a maior parte de seu lixo formada por resíduos orgânicos: 64% do total. Já pessoas de renda alta têm a maior parte de seu lixo formada por materiais recicláveis: 55% do total.

Composição do Lixo

Fonte: https://openknowledge.worldbank.org/handle/10986/17388

 

E o Brasil?

Aqui no Brasil, nós geramos 219 mil toneladas de lixo por dia. Isso corresponde a 5% do total mundial.

Se individualizarmos para termos a real influência que cada um de nós tem nessa montanha de descarte, saberemos que um brasileiro, em média, gera 1,04 kg de lixo por dia.

 

Do que é composto o lixo no Brasil?

Lixo no brasil

Onde isso vai dar?

Se cada um de nós tivéssemos a consciência da quantidade de lixo que geramos individualmente, talvez nem nos assustaríamos tanto com o quanto engordamos e emagrecemos. Vejamos: se imaginarmos que o peso médio do brasileiro é de 66,5 kg, cada cidadão gerará ao longo da vida (numa expectativa de vida de 74 anos) o equivalente a 421 vezes o seu próprio peso em resíduos!

 

Alerta vermelho!

Atenção! Entre 2003 e 2014, a geração de lixo no Brasil aumentou cinco vezes mais rápido do que a taxa de crescimento da população. Ou seja, individualmente, as pessoas e as indústrias que produzem os bens de consumo estão gerando mais lixo por pessoa.

Este crescimento reflete também a situação mundial. De acordo com previsão do Banco Mundial, de 2010 a 2025, iremos praticamente dobrar o volume de resíduos sólidos no mundo.

 

 

Próxima reportagem

Na próxima reportagem da nossa série “Os Caminhos do Lixo”, mostraremos o trajeto percorrido pelo lixo da sua casa até a destinação final. Falaremos também sobre os principais riscos da destinação inadequada desses resíduos para o meio ambiente e para a saúde da sua família.

Acompanhe para conhecer, monitorar e agir.

 

Fontes:

Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS)

Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil em 2016 (Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais – Abrelpe)

What a waste: A Global Review of Solid Waste Management (Banco Mundial)

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *